O DIA DE FINADOS E SUA IMPORTÂNCIA ESPIRITUAL


Papa Francisco rezando perante o túmulo de São João Paulo II na Capela de San Sebastián

         No dia 02 de novembro os fiéis se concentram nas igrejas e nos cemitérios rezando e oferecendo sacrifícios por seus familiares, amigos e por todos aqueles que morreram na fé. Essa tradição secular remonta os primeiros séculos da cristandade, da qual já a Sagrada Escritura nos ensina: “Se não tivesse esperança na ressurreição dos que tinham morrido em batalha, seria coisa inútil e tola rezar pelos mortos. Mas, considerando que existe uma bela recompensa guardada para aqueles que são fiéis até a morte, então esse é um pensamento santo e piedoso. Por isso, mandou oferecer um sacrifício pelo pecado dos que tinham morrido, para que fossem libertados do pecado.” (2Mc 12, 44-46)

Sobre os defuntos, dizia São João Crisóstomo: “Levemos a eles socorro e celebremos sua memória. Se os filhos de Jó foram purificados pelo sacrifício de seu pai (cf. Jó 1, 5), por que deveríamos duvidar de que nossas oferendas em favor dos mortos lhe levem alguma consolação? Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer nossas orações por eles”. E é neste intuito de sacrifício que a Igreja recomenda também as esmolas, as obras de penitência e as indulgências plenárias.

          Portanto, o Dia de Finados nos recorda aquilo que a humanidade tem de tão dramático e ao mesmo tempo belo: a nossa morte e a finitude desta vida. É a consciência de que esta vida é passageira, mas que será a partir dela que prepararemos o nosso lugar ao céu ao lado do Pai, da Santíssima Virgem e de todos os Santos e Santas na vida que há de vir.

1ª Missa nesta manhã na Matriz de São Paulo Apóstolo
Foto: PASCOM

FORMAÇÃO DA PASTORAL DA SOBRIEDADE

Na manhã do último sábado, 29, aconteceu na cidade de São Pedro a formação da pastoral da sobriedade, formação essa que contou com os representantes das oitos paróquias do X zonal e da área pastoral de Boa Saúde.


Na ocasião o casal arquidiocesano responsável pela pastoral Dioclécio e Ana Nery falaram sobre os trabalhos realizados, as dificuldades e toda a estrutura da pastoral, que trabalha com os diferentes vícios da sociedade.
Também neste momento as paroquias de Nossa Senhora da Conceição (São Tomé), Sagrado Coração de Jesus (Riachuelo) e Nossa Senhora do Perpetuo Socorro (Barcelona), que já tem implantada a pastoral da sobriedade, relataram sobre as experiências que vivenciam.


A paróquia de São Paulo Apóstolo contou com 13 participantes, dez da cidade de São Paulo do Potengi e 3 de Lagoa de Velhos, afim de conhecer o trabalho da Pastoral da Sobriedade e implantar na nossa Paróquia esse novo Trabalho.

Dia Mundial das Missões 2016

Outubro o mês dedicados as missões nos convida a duas importantes reflexões, o Papa em sua mensagem convida-nos a olhar a missão como uma grande, imensa obra de misericórdia quer espiritual quer material. “ Igreja missionária, testemunha da Misericórdia”, que é o tema do dia das missões, lembra-nos que ir ao encontro dos que precisam nos dignifica a está mais perto do Pai.
Nos momentos em que o Ano Jubilar Extraordinário da Misericórdia chega próximo do fim, outubro é o momento de intensificar nossas ações e fazer o convite para que todos possamos viver a Misericórdia do Pai. 



Em sua mensagem o Papa indica os caminhos da Igreja para este o Dia Mundial das Missões:
“Com efeito, neste Dia Mundial das Missões, todos somos convidados a «sair», como discípulos missionários, pondo cada um a render os seus talentos, a sua criatividade, a sua sabedoria e experiência para levar a mensagem da ternura e compaixão de Deus à família humana inteira. Em virtude do mandato missionário, a Igreja tem a peito quantos não conhecem o Evangelho, pois deseja que todos sejam salvos e cheguem a experimentar o amor do Senhor. Ela «tem a missão de anunciar a misericórdia de Deus, coração pulsante do Evangelho» (Bula Misericordiae Vultus, 12), e anunciá-la em todos os cantos da terra, até alcançar toda a mulher, homem, idoso, jovem e criança. ”


Também em destaque a Pontifícia Obras Missionárias nos convida a realizarmos a Campanha Missionária 2016, que tem como lema “Cuidar da Casa Comum é nossa missão. O lema é extraído da narrativa da criação no livro do Gênesis: “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1, 31). O projeto do Criador é maravilhoso, mas encontra-se ameaçado! A preocupação pela ecologia parte de dois gritos: o grito dos pobres que mais sofrem, e o grito da Terra que geme pela exploração.
Esta temática retorna a Campanha da fraternidade ecumênica deste ano e a encíclica Laudato si’ do Santo Padre. O objetivo é sensibilizar, despertar vocações missionárias e realizar a Coleta no Dia Mundial das Missões, penúltimo domingo de outubro (este ano dias 22 e 23), conforme instituído pelo Papa Pio XI em 1926.

Este é um importante passo da Igreja para que sejamos conscientes diante da crise socioambiental que passamos, mesmo não sendo especialistas neste tema, é dever de todo Cristão cuidar do planeta, afim de cada vez mais darmos condições e dignidade a vivencia humana.

MENSAGEM DO ARCEBISPO POR OCASIÃO DAS ELEIÇÕES

MENSAGEM AO POVO DE DEUS
POR OCASIÃO DAS ELEIÇÕES DE 2016
Aos Padres, Diáconos, Religiosos e Religiosas, Fiéis, leigos e leigas da
Arquidiocese de Natal


Passados quatro anos, mais uma vez a população se prepara para exercer a cidadania pelas urnas. A campanha está chegando à reta final! Candidatos esforçam-se para atraírem a atenção do eleitor esperando destes o sufrágio nas urnas a fim de que possam servir ao bem comum. Contudo, nos dias atuais, percebe-se o total desinteresse e apatia por parte das pessoas quando o assunto é política e eleições. Isto acontece devido ao grande fosso que separa a sociedade das práticas políticas exercidas por quem deveria agir em benefício da coletividade.
Eu, na qualidade de Bispo e Pastor da Igreja de Cristo, que é presença viva e eficaz na Arquidiocese de Natal, sinto-me no dever evangélico de lançar luzes à nossa consciência como Comunidades de Fé que somos, e mais, como discípulos e missionários de Jesus Cristo, sobre tamanha responsabilidade que recai sobre cada um de nós. O Papa Francisco nos alerta: “Para o cristão, é uma obrigação envolver-se na política. Nós, cristãos, não podemos fazer como Pilatos: lavar as mãos. Não podemos! Devemos nos envolver na política, pois a política é uma das formas mais altas da caridade, porque busca o bem comum. Os leigos cristãos devem trabalhar na política. Você, então, dirá: Mas não é fácil, pois a política está muito suja. E, então, eu pergunto: A política está suja, por quê? Não será porque os cristãos se envolveram na política sem o espírito do Evangelho? Faço-lhe outra pergunta: É fácil dizer que a culpa é de outro. Mas, o que eu estou fazendo? É um dever trabalhar para o bem comum; é um dever do cristão!”
Decorre, portanto, da fé que professamos, o compromisso em trabalhar por um Brasil mais próspero, democrático, sem corrupção, socialmente igualitário, economicamente justo, ecologicamente sustentável, sem violência, discriminação, mentiras e com oportunidades iguais para todos. Somente conseguiremos esse sonho com a participação de todos nós, cidadãos e cidadãs brasileiros. E esta participação cidadã, plasmada nos valores da democracia, começa no município em que vivemos. Impõe-se, neste tempo que antecede o dia das eleições, refletirmos sobre a situação do município onde estabelecemos morada. Pois, as eleições municipais têm uma atração e uma força próprias pela proximidade dos eleitores com os candidatos e, acima de tudo, com a real situação das políticas públicas básicas que a maioria da população precisa, como saúde, educação, segurança, moradia, mobilidade, entre outras.
Nos últimos anos, temos assistido o quanto os mais pobres estão alijados dessas políticas públicas. Basta uma visita aos postos de saúde e hospitais públicos. Outra situação que denota a falta de compromisso com a vida humana reside na ausência de ações políticas voltadas para as camadas socialmente vulneráveis, especialmente, os idosos, as crianças, adolescentes e jovens. Tal situação contribui para que a cada novo processo eleitoral a população politicamente ativa, e que exerceu o sufrágio nas últimas eleições, sinta-se enganada e cada vez mais desiludida pelas promessas de campanhas não realizadas.
Penso que, nos anos eleitorais, não deve a sociedade apenas votar, mas participar de forma organizada e ativa das discussões políticas, sendo também necessário que cada eleitor acompanhe após o pleito a trajetória dos políticos eleitos. Se não agirmos dessa forma, com certeza, passaremos mais alguns anos reclamando da violência que só aumenta, da falta de educação, da inexistência de saúde, da corrupção e de todos os males trazidos pela falta de informação e participação.
A oportunidade de concertação está posta, ao nosso alcance, através da participação ativa no processo eleitoral. É salutar que o eleitor procure informações a respeito dos candidatos e de seus partidos. Quem é candidato a um cargo político não caiu do céu: tem pai, mãe, família, formação, vida profissional etc. É indispensável assuntar se a história do candidato lhe confere compromisso com políticas públicas que defendam e promovam a dignidade da vida em todas as suas etapas: a inclusão dos pobres, das pessoas com deficiência, idosos, crianças e jovens, enfim, que promovam o bem estar para todos. O voto livre e soberano é, com toda certeza, a melhor arma para alcançarmos isso.
O bom político é ético e corajoso, por ter senso de justiça, ser coerente entre o discurso e a prática; é honesto, transparente e verdadeiro antes, durante e depois da campanha política; é defensor da vida e da dignidade da pessoa humana em todas as suas manifestações, desde a concepção até a morte natural; é humano e popular sem ser populista. Promove a justiça social priorizando ações governamentais que favoreçam a superação das desigualdades sociais e a qualidade de vida da comunidade; tem sensibilidade ecológica. Tem noção de sustentabilidade, e por isso, implementa políticas de preservação e recuperação do meio ambiente e de saúde pública, mesmo contrariando interesses imediatistas.
O bom político tem objetivos nobres. É um agente da transformação, desenvolve a economia gerando oportunidades para todos. Assume riscos com ousadia e criatividade; é inovador, mobilizador, envolvente. Toma iniciativas e sabe propor desafios e levantar bandeiras mobilizando a comunidade com entusiasmo; é estrategista. Tem boa visão de futuro e conhece o potencial das comunidades de seu município e da região. Sabe cercar-se de pessoas capazes e tecnicamente preparadas.
O bom político é administrador. Sabe delegar e descentralizar. Sabe escolher seus colaboradores diretos a partir da competência profissional determinando, com clareza, o que cabe a cada um realizar e cobrando resultados. Busca e constrói parcerias com outras esferas de governo e com a sociedade. Tem capacidade de alavancar recursos. Não gasta além do que arrecada e não contrai dívidas exageradas; é alguém capaz de liderança. Busca na sociedade civil organizada oportunidades de parceria e cooperação, reconhecendo, assim, nos atores sociais, a capacidade de cogestão e controle social das políticas públicas de Estado.
Assim, caríssimos irmãos e irmãs, fica claro para todos nós, que a cidadania não se esgota no direito-dever de votar, mas se dá também no acompanhamento do mandato dos eleitos. Se quisermos transformar o Brasil, comecemos por transformar os municípios. As eleições, sem dúvida nenhuma, levadas a sério pelos protagonistas de todo esse processo – que somos nós mesmos – são um caminho para atingirmos essa meta. Confiamos que saberemos nos posicionar nesse processo. Sua participação ativa é necessária. Essa é a hora para darmos o testemunho de que somos cristãos comprometidos com o Evangelho e, de maneira especial, proclamar a razão de nossa fé nesse tempo de profunda crise pela qual passa o Brasil e a nossa frágil democracia.
Que Maria, a Mãe da Apresentação, nos tome pelas mãos, nos acompanhe e assista em tão eloquente ato de fé engajada: o exercício da cidadania pelo voto.
Natal, 22 de Setembro de 2016.
Dom Jaime Vieira Rocha
Arcebispo Metropolitano de Natal

ORDENAÇÃO DIACONAL DE HÉMERSON CÂMARA.



A Paróquia de São Paulo Apóstolo é conhecida por ser um verdadeiro celeiro de vocações, e hoje estamos em festa, pela Ordenação Diaconal de mais um filho de São Paulo do Potengi. Às 17 h de ontem, 8, na Catedral de Natal, aconteceu a Missa que ordenou como Diácono, o nosso irmão e conterrâneo, o seminarista Hémerson Câmara, juntamente com mais quatro colegas de seminário. A celebração foi presidida pelo Arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira, e contou com a presença de 68 padres, diáconos permanentes, seminaristas, familiares e amigos dos novos servos da Igreja. Os mesmos darão continuidade ao seus estágios paroquiais, enquanto se preparam para a Ordenação Sacerdotal. 

Na ocasião, Dom Jaime apresentou Padre Ramos como o novo Vigário Episcopal do Vicariato Sul.

Na próxima quinta-feira, 15, padre Ramos celebrará Santa Missa, na Igreja Matriz de São Paulo Apóstolo, às 19 h. Será a primeira Missa, auxiliada pelo Diácono Hémerson, em sua cidade natal, São Paulo do Potengi.






MENSAGEM DE AGRADECIMENTO.

"Meus queridos amigos, irmãos, povo santo de Deus, amados conterrâneos...
O que dizer neste momento!?!
Primeiro: O meu modo de agradecer é daquela mesma forma que aprendi com o nosso saudoso Mons. Expedito: "com as minhas orações".
De coração, quero elevar a todos o meu mais preciso preito de agradecimento. Deus recompense a todos pelas bonitas palavras, homenagens e carinhos. 
Não por meus méritos, mas pela graça de Deus me tornei ministro do evangelho para servir a todos. Meu carinho especial e minhas mais sublimes orações por todos.
Deus abençoe e a Bem Aventurada Virgem Maria os proteja sempre." 
Hémerson Câmara


COMUNICADO AO POVO DE DEUS!

COMUNICAMOS AO POVO NORTE-RIOGRANDENSE

O processo de canonização dos bem aventurados Mártires André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Matheus Moreira e seus Vinte e Sete companheiros leigos que derramaram sangue por amor a Cristo em nossa terra Potiguar.

Fonte: Arquidiocese de Natal

A Canonização de Madre Teresa de Calcutá e a Cura de um Brasileiro

Agnes Gonxha Bojaxhiu, nascida no dia 27 de agosto de 1910 na cidade onde atualmente é Skopje (Macedônia), naturalizada indiana, mais tarde ficou mundialmente conhecida como Madre Teresa de Calcutá. Consagrou sua vida a Deus dedicando-se à vida religiosa desde os seus 18 anos, quando ingressou na Casa Mãe das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto, situada na Irlanda.
Tendo em mente realizar seu trabalho missionário com os mais pobres da Índia, suas superioras transferiram Agnes para fazer seu noviciado já em terreno indiano, e no dia 24 de maio de 1931, fez sua profissão religiosa tomando o nome de Teresa. Foi transferida para Calcutá, onde seguiu a carreira docente. Ao sair pelas ruas da cidade, sempre lhe chamava a atenção a miséria que muitas crianças, jovens, mulheres e idosos viviam.
Fundou uma congregação chamada Missionárias da Caridade e a partir daí percorreu o mundo em sua incansável ajuda aos pobres, doentes, crianças abandonadas, pessoas sofrendo com AIDS, mulheres que haviam sido abusadas e engravidaram, leprosos... O mundo reconheceu seu esforço não só doando donativos para o seu trabalho, mas também ao concedê-la alguns prêmios, dentre eles o Prêmio Nobel da Paz no ano de 1979.
Em 1997, aos seus 87 anos, Madre Teresa faleceu em decorrência de um ataque cardíaco. E no dia 19 de outubro de 2003, o então Papa João Paulo II, hoje também santo, beatificou Madre Teresa de Calcutá.


SEU MILAGRE, A CURA DO BRASILEIRO MARCILIO
No processo de canonização atual se faz necessário que 2 milagres sejam atribuídos à intercessão do candidato(a) à canonização, sendo este milagre uma cura inexplicável à luz da ciência e da medicina, consultando inclusive médicos ou cientistas de outras religiões e ateus. No caso da Santa Madre Teresa de Calcutá, a cura extraordinária do seu segundo milagre, que aconteceu em 9 de dezembro de 2008, é relativa a um BRASILEIRO, um homem hoje com 42 anos, chamado Marcilio Haddad Andrino que ficou às portas da morte por conta de "múltiplos abscessos cerebrais com hidrocefalia obstrutiva". De acordo com o diagnóstico, o paciente já tinha sido "submetido a um transplante renal e a terapia com imunossupressores", mas nada tinha adiantado. O caso clínico extremamente crítico e com esperanças médicas bastante limitadas se resolveu de repente, de modo total e duradouro, sem qualquer intervenção cirúrgica. Tudo isso se deu as incessantes orações dos familiares, amigos e de Fernanda Rocha, esposa de Macilio e devota da Beata, pela intercessão de Madre Teresa.

Hoje, 04, às 5h30min horário de Brasília, na Praça de São Pedro, em Roma, na presença de cerca de 120 mil fiéis se deu a celebração litúrgica presidida pelo Papa Francisco que canonizou a Beata Madre Teresa de Calcutá e na ocasião o Pontífice nos animou a seguir o exemplo da Santa Madre Teresa, esta que foi uma “agente dispensadora generosa da misericórdia divina”. Na celebração esteve presente a foto oficial da canonização da Beata Madre Teresa e um relicário contendo uma gota de sangue da santa.
O retrato foi feito pelo artista Chas Fagan, a pedido dos Cavaleiros de Colombo,
a maior organização leiga do mundo [foto: www.acidigital.com]

Madre Teresa gostava de dizer: “Talvez não fale a língua deles, mas posso sorrir” e o Papa Francisco concluiu dizendo: 
“Levemos no coração o seu sorriso e o ofereçamos a quem encontremos no nosso caminho, especialmente àqueles que sofrem. Assim abriremos horizontes de alegria e de esperança numa humanidade tão desesperançada e necessitada de compreensão e ternura”.

28 de agosto – Dia do Catequista


‘Então Jesus disse-lhes: “Vão pelo mundo inteiro e anunciem a Boa Notícia para toda a humanidade.”’ Mc 16, 15
Catequistas da Paróquia de São Paulo Apóstolo após celebração da Crisma 2016
Neste Ano Jubilar da Misericórdia, a Igreja celebra hoje, 28, o Dia do Catequista. Dizem que ser catequista é ser jardineiro de gente. É abraçar o chamado de Deus e levar a Boa Nova a todas as criaturas. Ser catequista é ser mensageiro da Palavra de Deus. É doar-se por inteiro, para formar, de maneira simples e ao mesmo tempo grandiosa, os filhos de Deus, que darão início a vida cristã.
Palavras de Dom José Antonio Peruzzo, Arcebispo de Curitiba-PR e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética:
“Seu sim ajudou a Igreja a ser Evangelizadora; a ser mais Igreja. Sua dedicação de Catequista a(o) faz lembrar-se de que o Senhor Jesus quer ser conhecido mais por seu amor do que por doutrinas. Por isso mesmo o episcopado brasileiro lhe agradece, caríssima(o) Catequista. E neste dia louva o Senhor por seu ministério. Que Deus lhe multiplique em bênçãos a bênção que é Você para a nossa Igreja.”

A Paróquia de São Paulo Apóstolo saúda à todos os Catequistas pelo seu dia, e agradece a cada um pelos serviços prestados com tanto amor e dedicação a toda a Igreja. Que Deus os abençoe!

Parabéns!

VOCAÇÃO LEIGA



   Neste quarto e último domingo do mês de agosto, celebramos o DIA DAS VOCAÇÕES LEIGAS ou DIA DOS MINISTÉRIOS LEIGOS, e, consequentemente, celebramos todos os leigos que, entre suas famílias e seus afazeres, dedicam-se aos trabalhos pastorais e também missionários.

   Os leigos atuam como colaboradores dos padres na catequese, na liturgia, nos ministérios de música, nas obras de caridade e nas diversas pastorais existentes.

   Ser leigo atuante é ter consciência do chamado de Deus, a participar ativamente da Igreja e do Reino de Deus, contribuindo para a caminhada e o crescimento das comunidades.Assumir esta vocação é doar-se pelo Evangelho e estar junto a Cristo em sua missão de salvação e redenção.


“OS LEIGOS CONTRIBUEM PARA A SANTIFICAÇÃO DO MUNDO, COMO
LUZ E FERMENTO DA MASSA” (Concílio Vaticano II)



   Leigo e Leiga são todos os cristãos (batizados), exceto os membros de ordem sacra e do estado religioso.
   Ao longo dos tempos, alguns conceitos dificultaram a compreensão e pratica do leigo(a) na Igreja Católica.
   O próprio significado dessa palavra – leigo(a) – confunde sua compreensão, sempre que se refere “aquele que é estranho ou alheio ao assunto”; não oficial. Por outro lado, algumas definições dentro da Igreja também colaboraram para confundir, tipo o conceito de que o “leigo é a extensão do braço do padre” que deu margem a isso, tanto por parte do clero como por parte do próprio leigo.
   Foi o Concílio Vaticano II – ocorrido em várias sessões durante os anos de 1962 a 1965, nos papados de são João XXIII e de Paulo VI – que por seus documentos, repensou a missão do leigo e resgatou a sua dignidade, inspirado na atuação de homens e mulheres do início do cristianismo.
   Leigo e Leiga são todos os cristãos (batizados), exceto os membros de ordem sacra e do estado religioso. Seu apostolado e sua vocação pastoral específica são voltados para atuação nas condições de vida comum, no mundo secular, isto é, da sociedade de forma geral. É voltada, portanto, à família, ao trabalho, ao meio social, sempre com o espírito evangélico, animando e aperfeiçoando a ordem temporal, dando sua colaboração para uma sociedade mais justa e mais fraterna.
   A vocação dos leigos na Igreja não é menos importante que a vocação religiosa, já que eles trazem consigo a experiência do mundo. Aliar as obrigações do dia a dia com os deveres cristãos torna a fé mais forte e aumenta a proximidade com o Pai Eterno.
   Como membro do povo de Deus, o leigo é chamado a ser fermento de santidade, testemunhando as riquezas de seu Batismo e Confirmação. Ele traz ao conjunto da Igreja a sua experiência de participação nos problemas, desafios e urgências do seu mundo secular, das pessoas, grupos sociais e povos.
   Especialmente leigos e leigas devem buscar a santidade dentro de suas próprias condições de vida. É o que ensina o Concílio Vaticano II.
   Após ter afirmado com vigor a vocação de todos os fiéis à santidade, a Constituição Lumen Gentium propõe alguns itinerários espirituais não apenas a ministros e consagrados, mas também aos esposos e pais, aos trabalhadores, aos pobres, aos sofredores, aos perseguidos pela justiça, concluindo: "Todos os fiéis santificar-se-ão dia a dia, sempre mais, nas diversas condições da sua vida, nas suas ocupações e circunstâncias, e precisamente através de todas essas coisas, desde que as recebam com fé das mãos do Pai celeste e cooperem com a vontade divina, manifestando a todos, no próprio
serviço temporal, a caridade com que Deus amou o mundo". (CNBB, Doe. n° 62; 176-180)
   Portanto, é direito e dever do leigo(a), desempenhar seu ministério específico, fora dos muros das igrejas, na sociedade como um todo. Estes também fazem parte do povo de Deus, sem qualquer diferenciação de grau ou poder, portanto, não só faz parte da Igreja, como é a própria Igreja.

Padre Ramos celebra 23 anos de Ordenação Sacerdotal

O Sacerdote é o amor do Coração de Jesus. Quando virdes o padre, pensai em Nosso Senhor Jesus Cristo.São João Maria Vianney  
Há 23 anos atrás, um jovem rapaz, nascido em Riachuelo/RN, respondia “SIM” ao chamado de Deus e a esse amor que vem do Coração de Jesus. Abriu mão do convívio da família, da companhia dos amigos e renunciou aos seus próprios sonhos, para viver os sonhos do Senhor. Fez do Seminário de São Pedro sua nova casa, onde fez novos amigos e encontrou uma verdadeira família em Cristo. No dia 27 de agosto de 1993, esse jovem rapaz se ordena presbítero, e se torna: Padre Ramos.
Uma vida dedicada a serviço da Igreja. Já esteve à frente das paróquias de Tangará e Pedro Avelino, e caminhou ao lado de Monsenhor Expedito nos seus últimos anos de vida, sendo seu sucessor como pároco da Paróquia de São Paulo Apóstolo, há quase duas décadas.

Na administração da nossa Paróquia, destaca-se seu carinho pelos fiéis. Os sinais visíveis desse afago estão na criação de novas Pastorais, no acolhimento de Movimentos, no cuidado com as Comunidades e Congregações, e na preocupação com os leigos.
Assim, Padre Ramos torna-se muito mais que o nosso Pároco; encontramos nele um amigo, um pai. Aquele que ouve e aconselha, não somente nas confissões, mas nas conversas do dia a dia.

Hoje, louvamos a Deus pelo dom da tua vida, e agradecemos pelo seu sim ao chamado Dele. Deixamos também o nosso mais sincero agradecimento pelo carinho, cuidado e amor por todos nós. Obrigado pelas palavras, conselhos, ensinamentos e bênçãos a nós destinados. Que Maria passe sempre na frente do seu pastoreio!
Padre Ramos celebrará uma Santa Missa em Ação de Graças pelos seus 23 anos de Ordenação Sacerdotal no próximo dia 29, segunda-feira, às 19 h, na Igreja Matriz de São Paulo Apóstolo!

Parabéns, padre!

Texto: Renildo Alves
Edição e Publicação: PASCOM - SPP

- Copyright © Paróquia de São Paulo Apóstolo - São Paulo do Potengi/RN - Hatsune Miku - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -